2014-12-30

Cabeça, Aldeia Natal.

É um projeto de orçamento participativo e mobiliza toda a população da aldeia.
Durante semanas juntam-se fabricando enfeites com folhas, giestas, bolotas, cascas de eucalipto... tudo o que vem da limpeza das matas e nada de plástico.
Em dezembro é a grande festa, com a aldeia toda decorada mas, o mais impressionante, é o empenho e entusiasmo que todos os vizinhos põem no empreendimento. Um verdadeiro projeto comunitário.


2014-12-28

Museu da Lourinhã

O estúdio de fotografia.

2014-12-23

Museu da Lourinhã

No Museu da Lourinhã também há bicicletas e afins.

2014-12-20

E o manga de alpaca...

... com a Triumph o mata borrão e o telefone de disco...
Houve uma criança que, quando ouviu dizer que aquilo era um telefone, perguntou:
"E tira fotografias?"

2014-12-19

Resina

Do Museu da Lourinhã:
Quem se lembra dos pinheiros sangrados com um golpe, uma gola de zinco e uma tijela de barro, para extração de resina?
Nesta época não havia matas abandonadas...

Lourinhã

68º Encontro USkP
Parte das alfaias do carpinteiro, da coleção do Museu da Lourinhã.

2014-12-17

As alfaias do vinho

No Museu da Lourinhã que tem excelentes coleções de ferramentas e outros materiais etnográficos.
Encontro 68 USkP.

Museu da Lourinhã

Um desenho feito com chuva e à chuva, no excelente 68º Encontro USkP, no Museu da Lourinhã, onde fomos tão bem recebidos.
Obrigado à Anabela, ao Hernâni e ao André.

2014-12-15

Querença

No Mercado de Querença não é só compras.
Há por lá grandes animações como aulas de aeróbica e até um workshop com as mil receitas para fazer com romã.



2014-12-14

Mercado de Querença

Mais do Mercado de Querença, no 67º Encontro USkP.

2014-12-13

Mercado de Querença

Também fomos ao Mercado de Querença, marcado para cada último domingo do mês.
Dantes não havia mercado mas começou a ser organizado no àmbito do "Projeto Querença" que trouxe novo alento à aldeia.
O pessoal do "Projeto Querença" residiu por lá durante os nove meses de trabalho de lançamento (não, não só do mercado) mas agora já não é preciso. Saíram os organizadores mas ficou o mercado mensal, e outras coisas
E vale a pena lá passar! (Recomeça na primavera).

2014-12-12

Loulé

No 67º Encontro USkP, em Loulé, fomos muito bem recebidos pelo TASATécnicas Ancestrais, Soluções Actuais
Visitámos a loja, fantástica, onde fiz esta espécie de inventário. Mas há muito mais a ver!

2014-12-10

Loulé

Mais dois desenhos na Alcaidaria de Loulé, durante o 67º Encontro USkP.


2014-12-09

Loulé

Alcaidaria de Loulé.
67º Encontro USkP

2014-12-04

Mercado de Loulé

Mais mercado de Loulé, no 67º Encontro USkP. Agora os detalhes:

2014-12-03

Mercado de Loulé

Mercado de Loulé
67º Encontro USkP

2014-12-02

Agenda Cultural de Lisboa

Urban Sketchers na Agenda Cultural.
Ver aqui a edição digital.
Os nossos desenhos vêm logo ao princípio.

A caminho de Loulé

De comboio, a caminho de Loulé, para o 67 Encontro USkP.

2014-11-28

Galeria de Arte Opus 14

É já na próxima quinta dia 2014-12-04 a vernissage da exposição na Galeria Opus 14.
Contamos com muitas visitas.
Outras imagens aqui.


2014-11-27

Encontro 66 USkP

O último desenho do dia.
Acho que quase todos desenharam esta vista. Desde o abrigo do CCB (choviscava) para os Jerónimos que boiavam por cima das copas.

Encontro 66 USkP

Era uma molhada de Sketchers, na escada do CCB.
E na escada em frente, outros tantos.
Foi assim o 66º Encontro USkP.

2014-11-25

My Art Sketch

Há algum tempo fui convidado para integrar o MY ART SKETCH (obrigado Constança), onde me fui encontrar com outros e excelentes sketchers. Surpreendentemente recebi logo uma primeira encomenda, que teve como resultado este desenho:

Last month I was invited to join MY ART SKETCH, where I met wonderful fellow sketchers.
Surprisingly I quickly got my first order. Here is the drawing I have done:

2014-11-24

Encontro 66 USkP

Seis anos mais tarde, no mesmo local, apetecia-me mesmo repetir o  ponto de vista.
http://bonecosdebolso1.blogspot.pt/2008/11/uma-aula-de-haiku.html
 A dificuldade é que chovia, o papel estava a ficar molhado e tive que fazer tudo à pressa. Fui pôr as cores já debaixo de telha.



2014-11-17

Thumbnails

Exercícios de enquadramento

2014-11-15

O Museu vai ao Psícólogo

Quem sou eu
Encontros com a identidade
MNHNC

O Museu já foi ao Psicólogo 
Teresa Rebelo Pinto

2014-11-11

Rota Vicentina

Aljezur é central em toda a Rota Vicentina.
E não apenas pelo excelente Amazigh Hostel.

Ria de Faro

Entrando pela Cala de Faro.
A bombordo ficam as bóias pares, encarnadas ou rectangulares. A estibordo as ímpares, verdes ou triangulares.
Para a próxima tenho que levar canetas de cores.

2014-11-06

Rota Vicentina

Sagres. Baleeira ao pôr do sol.

Rota Vicentina

No cemitério de Vila do Bispo convergem a Rota Vicentina e a Via Algarviana.
Desde ali até Sagres o percurso é comum.

2014-11-04

Rota Vicentina

Este sketch, da Rota Vicentina, está agora no flag dos USk.

Grande parte do caminho entre Odeceixe e Aljezur acompanha a levada – canal de irrigação desde a barragem de Sta Clara.
Ao ritmo de cada passo salta uma rã para a água. Plof… plof… plof…
Menos divertido é a quantidade de mosquitos. Mais de 100 por cada rã. Nada que um pouco de nortada não assopre.
Há grandes áreas cultivadas (batata doce, amendoim, …) mas também muito abandono.
Pinhais completamente selvagens, com enormes camadas mortas onde praguejam acácias e ákeas.

2014-10-30

Praia dos Salgados

Ao fundo, Armação de Pera.

2014-10-29

Rota Vicentina

De repente, numa curva do caminho surge Vila do Bispo, ponto final da penúltima jornada da Rota Vicentina.


2014-10-28

Rota Vicentina

Praia do Amado. Uma praia linda!

Pó branco

Antes e depois do pó branco.
Não! Não se trata de coisas proibidas!
Apenas exercícios de extinção de incêndios com pó químico.

2014-10-23

Rota Vicentina

Praia da Bordeira
Neste passeio da ROTA VICENTINA (ainda deixei uma parte do percurso para futuras oportunidades) tive a sorte de apanhar uns maravilhosos dias de outono.
A água estava mais quente do que em agosto no sotavento.
Mesmo com algumas chuvadas valia a pena acabar o dia com um mergulho. E que maravilhosas praias por ali há!

2014-10-22

Rota Vicentina

Numa volta do trilho vejo um belíssimo medronheiro e, ao lado, um jeep todo inclinado (aquilo não era sítio nem mesmo para jeeps) e dois funcionários parados, a olhar para mim.
A situação era tão insólita que me cheguei e meti conversa:
“Que belos medronhos.”
Um dos guardas (o único falante) respondeu:
“Ah esta árvore… esta árvore…”
E começámos os três a comer desalmadamente medronhos, com muitas recomendações de não comer demais porque podiam fazer mal, bebedeiras, indisposições, ressacas, … (sempre era mais uma boca a comer…)
O medronheiro era notável e lindo. Ainda com muita fruta por amadurecer mas já tinha quilos de fruta madura e não havia nenhum daqueles medronhos pequenos e escuros, secos e com pintas pretas que ficam a trabalhar nos dentes.
Todos os medronhos que comi eram deliciosos, tenros, carnudos, dos que se soltam da árvore ao primeiro toque, e docíssimos.
O jeep tinha um sarilho de mangueira e uma bomba de água e eu perguntei:
“Andam aqui por causa dos fogos?”
Ao que o guarda, com um gesto muito vago, respondeu:
“Vigilância… vigilância…” (Era de poucas palavras mas repetia-as sempre) e eu, para dizer qualquer coisa continuei:
“Pois… este ano foi muito clemente em fogos” mas cá para mim fiquei a pensar “vigilância mas é dos medronheiros”
Fiquei contente por perceber que estes guardas conhecem a serra árvore a árvore. É mais do que o papel deles e é para isso que servem estas voltas na serra. Este conhecimento é-nos fundamental em inúmeras situações.

Comam medronhos, comam e muitos!

Histórias de Viajantes- Traços de Viagens


2014-10-21

Motorhomes

Caminhando a Rota Vicentina.
Durante o dia andam dispersos mas ao pôr do sol são como os pardais.
Juntam-se nos locais preferidos para passar a noite e é vê-los sossegados, jantando com os olhos postos no mar.


Passeio para desenhar

Uma oficina de desenho em diários gráficos em Alfama.
Mais pormenores aqui.


2014-10-20

Odeceixe

Caminhando a Rota Vicentina, a saída de Odeceixe faz-se pela subida até ao moinho, mesmo por cima dos telhados, de onde há uma vista soberba sobre o rio.